fev 262014

Polícia investiga 5 por suspeita de traficar criança, diz delegado em MS

Artigo 6

Do G1 MS – Cinco pessoas foram autuadas nessa terça-feira (25) por tráfico de crianças em Costa Rica, a 384 km de Campo Grande. O delegado Cleverson Alves dos Santos disse ao G1 nesta quarta-feira (26) que há indícios de que uma garota de programa de 29 anos tenha vendido a um casal de Uberaba (MG) a filha recém-nascida.

Segundo ele, há dois meses, a polícia foi informada de que a suspeita, na época ainda gestante, estava sendo sustentada por um casal e que já havia combinado um valor pela criança.

A mulher passou a ser monitorada e, no sábado (23), foi internada em um hospital do município de Mineiros (GO). Segundo o delegado, a internação foi paga pelo casal, que ficou hospedado em um hotel em frente à unidade de saúde junto com duas mulheres suspeitas de intermediar a negociação.

O parto foi realizado e a garota de programa teve alta na terça-feira (25). Ela foi autuada logo depois de passar a recém-nascida para o casal. “Eles [suspeitos] esperavam em frente ao hospital. Pegamos eles com a criança no colo”, fala Santos. A ação contou com ajuda da Polícia Militar (PM). Segundo o delegado, é comum moradores de Costa Rica buscarem atendimento em Mineiros porque as duas cidades são próximas.

A garota de programa, o casal e as demais suspeitas foram levadas à delegacia de Polícia Civil de Costa Rica. Todos foram autuados pelo crime previsto no artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa. O bebê está em um abrigo do município.

De acordo com Santos, o casal afirma que custeou despesas da garota de programa, mas nega ter comprado o bebê. A mulher justificou à polícia que tinha intenção de ficar com a criança porque não pode ter filhos. Eles confirmaram que pagaram à mãe do bebe R$ 5 mil para internação, R$ 400 de aluguel e despesas como alimentação e pré-natal.

O delegado explica que a garota de programa é de Rondônia, já morou em outros municípios de Mato Grosso do Sul , está há oito meses em Costa Rica e tem três filhos, mas nenhum mora com ela. Pela recém-nascida ela receberia R$ 10 mil, segundo informações obtidas pela polícia. Com o dinheiro, pretendia montar uma casa de prostituição na cidade de Figueirão. O delegado informou que as investigações sobre o caso continuam. A intenção da polícia é descobrir se é usual a negociação de recém-nascidos por parte das duas mulheres suspeitas de intermediar o negócio e se elas fazem parte de uma rede de tráfico de crianças.

Postar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Monitoramento CEDAW - Ação Permanente
Endereço: Rua General Andrade Neves, 159, sala 85, 8º andar Centro Histórico, Porto Alegre, RS, CEP: 90010-210