mar 142014

Estado do AM registra, em média, quatro casos de estupro de mulheres por dia

Artigo 1

D24am – O Amazonas teve um aumento de 156% nas ocorrências de violência sexual contra mulheres entre 2009 e 2013. Os dados são do Ministério da Justiça e apontam para a média de até quatro mulheres estupradas por dia no Estado, no ano passado.

O Amazonas registrou 1.153 estupros de mulheres no ano passado, segundo dados divulgados pelo Sinesp (Foto: Reinaldo Okita)

O Amazonas registrou 1.153 estupros de mulheres no ano passado, segundo dados divulgados pelo Sinesp (Foto: Reinaldo Okita)

O Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas (Sinesp), do Ministério da Justiça, contabilizou 449 estupros no Amazonas em 2009. Em 2012, o total deste tipo de ocorrência saltou para 998 e, em 2013, chegou a 1.153 casos. Segundo o Sinesp, em 2009 a taxa de estupros no Estado era de 13 para cada 100 mil habitantes. Em 2012, dobrou para 27 em cada grupo de 100 mil mulheres.

Segundo a delegada da Polícia Civil Fabíola Queiroz, a fragilidade física característica da mulher, somada às condições de algumas áreas da cidade, como má iluminação, formam o ambiente para ação dos estupradores. Fabíola ressalta que o estado emocional das vítimas, após a ocorrência, dificulta a descrição dos criminosos, o que atrapalha as investigações. “Infelizmente, vivemos numa sociedade onde um ser humano ataca o outro. Não podemos dizer para moças e senhoras deixarem de trabalhar ou estudar, mas todas devem ter sempre atenção redobrada na rua”, afirma.

A delegada orienta que as mulheres devem evitar andar sozinhas à noite, especialmente em ruas escuras e lugares pouco movimentados. Outra dica de segurança é pedir apoio aos familiares e amigos, para escolta no trajeto entre o ponto de ônibus e a casa, ou outros percursos que sejam de rotina. “Estar sempre em dupla ou em grupo já inibe a ações de ladrões e estupradores”, alerta.

A prática do estupro é configurada pelo uso da força para obrigar a mulher a fazer sexo e pode acontecer mesmo entre casais, segundo a delegada. “Temos muitos casos onde o autor do crime é o marido, namorado ou algum conhecido da vítima. É importante que esta mulher rompa a vergonha e faça a denúncia”, disse.

Os Serviços de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual (Savvis) das secretárias municipal (Semsa) e estadual (Susam) de Saúde oferecem acompanhamento psicológico, medicamentos para a prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e pílula do dia seguinte.

A coordenadora do Savvis na Maternidade Moura Tapajóz, Zélia Campos, alerta que a medicação preventiva só surte efeito se for administrada em até 72 horas após a ocorrência. “Quando a vítima chega, uma enfermeira preenche a ficha oficial do Ministério da Saúde e faz a triagem para saber se o caso ocorreu em até 72 horas”, explicou . “Se for o caso, o médico plantonista é chamado para proceder o exame e prescrever a medicação”, completou.

De 82 ocorrências, apenas 20 suspeitos foram presos

Dos 82 estupros registrados na capital entre 1º de janeiro e 12 de março deste ano, apenas 20 tiveram os suspeitos presos, segundo informações da Polícia Civil. No caso mais recente consumado, o vendedor ambulante Dyony Cabral Silva, 31, foi detido em flagrante, no último dia 7, após violentar uma estudante de 17 anos, em um terreno baldio atrás de uma parada de ônibus na Rua Cesareia, bairro Alfredo Nascimento, zona norte de Manaus.

Em janeiro deste ano, a Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (DECP) divulgou uma lista com o nome de 12 estupradores foragidos da Justiça. Entre os mais perigosos, estão Arlindo Semeão de Melo, Autemar Pinheiro Cardoso, Jessé de Oliveira Figueiredo, Marcelo Pereira Mendes, Paulo José Rodrigues Ferreira, Deivid da Silva e Silva, Fernando Amazonas da Silva, Neliton Matos da Silva, Roberto Aquino de Melo Júnior, Daniel Barbosa Bonta, Claudio Silva de Souza e João Darc Tavares da Silva. Alguns deles também são envolvidos em outros crimes, como homicídio e roubo.

A lentidão na punição torna alguns estupradores alvo de justiceiros populares. Há 22 dias, o ajudante de pedreiro Ricardo de Castro Fonseca, 27, foi encontrado decapitado no Ramal Água Branca 2, no km 35, da Rodovia AM-010, com uma faca cravada no peito, um tiro na face e uma cartolina com a frase ‘Sou estuprador, por isso morri’.

Postar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Monitoramento CEDAW - Ação Permanente
Endereço: Rua General Andrade Neves, 159, sala 85, 8º andar Centro Histórico, Porto Alegre, RS, CEP: 90010-210